Amnésia


Sempre pensava em conquistar algo, nunca lembrava o que era.
Sabia que fazia parte de um passado distante, mas não enxergava em suas memórias.

Sua desculpa era de que visualizava o pouco que tinha do seu passado em preto e branco, portanto, alguns detalhes se perdiam, tudo era muito confuso.

Mas esse sonho era colorido.

Caia em contradição, quando tentava lembrar. Um dia pensava ser artista (daquelas bem bonitas), lembrava que não era tão bonita e de que o talento faltava: "Não consigo mentir nem a mim mesma".

Depois, resolveu ser cantora, encontrava em algumas notas a sua ausência de ritmo. Seu sonho não tinha voz.

Tudo o que lembrava anotava, para não se perder no dia seguinte. Quando acordava, tudo era a igual, o mesmo quarto branco, a mesma cama.
Diariamente eram as mesmas anotações, tentava lembrar o passado para construir um futuro.
Um acidente, sirenes, ambulância, pessoas ao redor, um rosto que chorava.

Algo colorido surgiu, sua médica lhe fazia várias perguntas, ela tinha a resposta. Tinha a resposta. Em algum lugar estava.
A amnésia lhe veio à mente, chegou a conclusão de que seus sonhos nunca seriam realizados, eles tinham cores, tal qual a sua pior lembrança que ressurgiu: a de que nunca mais se lembraria de nada.

E anotou para não esquecer.
No tumulto de seus pensamentos olhou para o manuscrito novamente. Tomou uma grande decisão: em alguns momentos o melhor é mentir para si mesma, rasgou o pedaço de papel. E então, cogitou novamente a oportunidade de ser uma artista (daquelas bem bonitas).

8 leram:

Tiago F. Moralles 29 de junho de 2009 19:06  

Droga, esqueci o que eu ia comentar.

Gordinha 29 de junho de 2009 19:52  

Quando lembrar anota e não rasga!
hahahaha!
Bjs!
=D

Felipe A. Carriço 29 de junho de 2009 21:37  

Poderia ser aquele alemão que deixa as velhinhas loucas também... é...
qual o nome dele mesmo... Ah!... Alzheimer!

Bia =D 1 de julho de 2009 12:44  

Essa coisa trágica que persegue seus escritos...já pensou em procurar terapia?rs

Bellatrix 1 de julho de 2009 12:47  

Gostei da resposta do Fe...
Eu acredito que esquecer as vezes é o melhor presente!!

Afinal, doq vc quer lembrar no final?

Gordinha 1 de julho de 2009 13:41  

Terapia, to fora isso é coisa de bicha! hahahahah! (nada contra)

E Bê, vou fazer até uma citação sobre aqui:

"Quão feliz é o destino de um inocente sem culpa!
O mundo em esquecimento pelo mundo esquecido.
Brilho eterno de uma mente sem lembranças!
Cada orador aceito, cada desejo renunciado."
Adivinha da onde é?

"Afinal, doq vc quer lembrar no final?"

Acho que cada vez que você esquece algo é uma forma de mentir um pouquinho pra você mesma, é se dar ao luxo de esquecer algo acontecido para sentir menos culpa!
A lei do convém! Você aceita o que te faz bem!

Por exemplo, eu vou me lembrar sempre destes comentários, principalmente quando achar necessário fazer terapia!

Bellatrix 1 de julho de 2009 13:45  

Não critique a terapia... muitos clientes dependem desse tipo de apoio... que não é meu caso, claro!

Fernando Luz 2 de julho de 2009 09:30  

Pois é! Às vezes, a melhor maneira de lembrar é esquecendo. E vice-versa.

Ótima história, @gordinha.

Related Posts with Thumbnails

@gordinha

Tá na bolsa!

Sigam-me os bons!

GTM